Reaberto o novo Parque Estadual do Utinga

Após apresentações artísticas, como o Boi Veludinho, crianças do Pro Paz e a premiada Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz, o novo Parque Estadual do Utinga (PEUt) foi reaberto e entregue à população paraense, na última sexta-feira. Trata-se do mais novo espaço de preservação e estudo da biodiversidade dentro da Região Metropolitana de Belém. No sábado, aconteceu uma grande caminhada, a partir das oito horas, com paradas para informações educativas sobre a fauna, flora e sobre os novos espaços. No domingo, o parque abre às 5h30 e funcionará até as 17h, assim como nos outros dias, de segunda a segunda.  Com um total de investimento de cerca de R$ 36 milhões, os trabalhos realizados no PEUt compreendem a entrega do circuito de quatro quilômetros de pistas, preparado para caminhadas e passeios de bicicletas, patins e skates, além de um grande estacionamento de 400 lugares para veículos e de um centro de recepção aos visitantes, equipado com auditório para 50 lugares, lanchonete, loja de souvenir, bilheteria e café.

Parque Estadual do Utinga
Foto: Igor Brandão – Agência Pará

Fauna – Com uma área equivalente a 1340 campos de futebol (1.340 hectares) o Parque Estadual do Utinga possui uma fauna exuberante com mais de 200 espécies de aves registradas e a maior biodiversidade de peixes em parques em todo o mundo, com 90 espécies de peixes catalogadas. O espaço ainda mantém uma quantidade enorme de insetos com muitas espécies ainda desconhecidas, além de mamíferos como preguiças e capivaras e répteis como tartarugas, jacarés e serpentes. Esse é o mais importante projeto de preservação da biodiversidade na Região Metropolitana de Belém e consiste em uma unidade de conservação criada, em 1993, para preservar ecossistemas e mananciais lá guardados – como os lagos Bolonha e Água Preta, que abastecem cerca de 70% da população de Belém. Avalia-se como alta a diversidade de fauna e de flora encontradas na área florestal protegida. Estima-se que, apenas no lago Água Preta, esteja abrigada a maior diversidade de peixes em parques ambientais de todo o mundo. Entre as espécies de peixe estão os ornamentais e até o pirarucu.

Ararajubas – Dentro do parque existe um projeto voltado para a reintrodução das ararajubas, aves sem registro de aparição na Região Metropolitana de Belém há mais de 60 anos, por conta de um processo de extinção, e que, agora, já podem voar livremente pelo Parque Estadual do Utinga. No mês de janeiro, as araras de cores amarelo e verde vibrantes foram soltas de seu cativeiro em mais uma etapa do processo de reintegração da espécie ao seu habitat natural. Em outubro do ano passado, 12 exemplares de Ararajuba chegaram ao parque vindas de São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here