Oficial dá sumiço em arma da PM

Por Waldercleydes Magalhães, Blog do Magalhães, Belém

oficial
Coronel André Luiz Cunha

O coronel da Polícia Militar do estado do Pará André Luiz Cunha, hoje subsecretário de Segurança Pública do estado, quando a frente do Sistema Penitenciário, deu sumiço em uma arma – pistola – pertencente ao patrimônio público sob a égide da Polícia Militar, e ao ser descoberto o desaparecimento do armamento, André Luiz Cunha disse ter sido assaltado e naquela ocasião perdera o armamento para os meliantes.

Ocorre que esta ocorrência jamais fora registrada, e nenhuma divulgação fora a público, como gosta de fazer com pirotecnia retumbante para seus serviçais atos referido oficial. Esqueceu-se o oficial maçaneta, que ainda há Promotores de Justiça no Pará, e eis que o fato chegou ao conhecimento da promotoria Militar na pessoa do intrépido Promotor de Justiça Armando Brasil, que fora rotulado por um outro oficial na reserva como “paladino” de praças.

O rótulo dado pelo reservista ao Promotor mostra a face da confraria que existe quanto aos crimes praticados por oficiais da PM, de se ressaltar que todos os ex-comandantes gerais estão a responder processo criminal na Auditoria Militar, e outros tantos oficiais superiores também, e ao serem absolvidos o são por sua confraria, a mesma que julga os praças. E numa linha de dez oficiais nos bancos dos réus, nove são absolvidos e um ganha no mínimo uma desclassificação do seu crime. No entanto, de cada dez praças no banco dos réus, nove são condenados e um tendo a pena diminuída. No caso dos oficiais absolvidos, sempre o “Parquet” recorre e ganha, na mesma linha quanto aos praças, que sempre retornam as fileiras da PM por ordem Judicial, enquanto se quer, os oficiais são afastados quando cometem crimes diversos, e aqui mostramos a coronel Ruth Léia que agora goza da reserva mesmo estando em andamento o processo criminal, que aliás, já deveria ter sido julgado, mas, os membros do Conselho se julgaram impedidos, ou seja, uma manobra para beneficiar a maior arrombadora do erário via Polícia Militar.

Assim, diante da denúncia do sumiço da arma, Armando Brasil está encaminhando expediente ao corregedor da PM para que faça a abertura de procedimento administrativo contra André Luiz, e ao final com envio dos autos ao MP para as seguintes decisões criminais ou não.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here